História da Província

Historia de la Provincia

History of the Province

 

The Anglican Continuing Movement

 

When we speak of Continuing Anglicans, does the following question come to mind? What does it mean to be a continuing?

 

First of all, it is important to note that the word Anglican derives from the Latin term „Ecclesia Anglicana" which was used from the earliest times when speaking of the Church in England. Thus it was common to use this expression when referring to English Christians, its use is in official records as in the historic „Magna Carta of England" dated 1215, about 319 years before the autonomy declared by Parliament under the Reign of Henry VIII in 1534.

 

Under the qualitative continuity given to the Church, the Latin „continuare" is understood as permanence, which has not been broken, which has not been interrupted, which has remained orthodox, the same. This is the Anglican Continuing Movement which did not break its ties during its journey in history with the One, Holy, Catholic and Apostolic Church as it came through the early Christians who landed in the former Province of the Roman Empire, Britain, as it was called England then.

 

Context and origin of the birth of the Continuing Movement

 

In 1976, the General Council of the Episcopal Church in the United States approved the ordination of women to the priesthood and episcopacy, a wave that had been settling not only in the United States, but in all Provinces of the Anglican Communion throughout the world, causing serious divisions in the Church and strong theological debates. At the same Council, it was also approved the adoption of a new and doctrinally controversial Common Prayer Book that later became known as the „1979 Version."

 

The act of the Episcopal Church in the United States (ECUSA) meant a real abandonment of the Tradition and Orthodoxy of the Church bequeathed from apostolic times and its consequences were felt little by little throughout Anglicanism.

 

In the same year of 1976 the Anglican Church in Canada also approved such decisions following the same path of the United States, initiating the „Theological Liberalism" that today is the cause of great wounds in the Anglican Church and that has prepared the ground for other attitudes that have since caused the removal of the right faith and sound doctrine, breaking dramatically with the Church constituted by Jesus Christ on the foundation of the Apostles and living in Tradition, Scripture and Apostolic Succession.

 

In response to this heretical attempt to change the order, morality and faith of the Church, in 1977 the Bishop of Springfield Archbishop Albert Arthur Chambers, sensitive and docile to the Holy Spirit of God, under the impulse of this and in union with Society of the White Clergy of the United States, convened a major Congress of the Anglican Church.

 

On September 17, 1977, in a meeting in Saint Louis, Bishops, Presbyters and the People of God unanimously condemned the decisions of the General Council of 1976 as a serious schismatic act and approved a resolution that entered into force. history as the statement of St. Louis where lay the foundations and definitions of the true Anglican Faith:

 

„We affirm that the Church of our fathers, sustained by the Holy Trinity, still lives, and that we have been moved by the Holy Spirit to walk only on this path, we are determined to continue in the Catholic Faith, Apostolic Order, Orthodox Adoration and in the Evangelical Testimony of the traditional Anglican Church, doing all things necessary for the continuation of it."(St. Louis Affirmation) The Anglican Continuing Movement was born, which gradually spread throughout the world as an attempt to resist the winds of error and heresies that have infiltrated and continue to infiltrate and perpetrate themselves in the Church due to the distorted conception of many who believe it must unite with world forgetting however that the „Church is the Body of Christ operating in the world. It is the society of the baptized convoked of the world; The Church is in the world but not to world. As the Faithful Bride of Christ, she is different from the world and should not be influenced by it" (St. Louis Affirmation).
 
The Continuing Movement as it was for the Anglicans of 1977 in the United States also constitutes in our day a way of remaining faithful to the true Anglican Tradition. In the firm conviction that „we may be saved by the grace of the Lord Jesus Christ," and that „is no other name under heaven given among men by which we can be saved," and acknowledging our obligation to proclaim the saving Truth of Christ to all people, nations and in all languages, we declare our intention to sustain the One, Holy, Catholic and Apostolic Faith in God. We admit the rule of faith lowered by St. Vincent de Lerins: „We believe that those things in what has been believed everywhere, always and for all, this is true and properly Catholic" (St. Louis Affirmation).

 

Archbishop ALBERT ARTHUR CHAMBERS

 

Archbishop Albert Arthur Chambers was born in Ohio on June 22, 1906 and graduated with honors from Hobart College and General Theological Seminary. Of his descen-dants survives a daughter, Frances Chambers Roger, a sister, Eleanor Mc'Istosh of Cleveland, seven grandchildren and a great-grandchild. In 1993 he died of a heart attack at age 86. Most Rev. Albert Arthur Chambers was the founder of the Anglican Continuing Movement worldwide as a collegial body in defense of the Orthodoxy of the Catholic faith which announces the gospel of Jesus Christ on the principles of Anglicanism. Albert Arthur Chambers was the 7th Bishop of the Anglican Diocese of Springfield USA, after serving for many years as Rector of the Church of the Resurrection in Manhattan - New York from 1949 to 1962. His Episcopal consecration took place at the hands of Bishops Arthur Lichtenberger, Horace Donegan and J. Reginald Mallet. In the 1970s, something happened that profoundly affected the Anglican Church in the United States, distorting it theologically and breaking the Tradition that had been handed down since apostolic times in order to concretely feel the pastoral actions: - The ordination of women to the priesthood and episcopate.
 
Zealous and preoccupied with the course of the Church, Archbishop Albert Chambers convened in 1977 the Great Council of St. Louis - Missouri, in order to rescue Orthodoxy in Anglicanism and to fight error. The St. Louis Affirmation became the constitution of the Anglican Continuing Movement, in which more than 2000 Anglicans from around the world participated.
 
In January 1978 Archbishop Albert Chambers expanded canonical jurisdiction with the ordinations of the four first bishops who constituted the beginning of the Anglican Church of North America and who maintained and transmitted the succession of Chambers constituting new Provinces spreading the faith faith through the Continuing Movement to all four corners of the world.
 
Archbishop Albert Arthur Chambers maintained a very special attention for Latin America authorizing directly the opening of the mission in Colombia that today constitutes Province.
 
In Brazil the Continuing Anglican Movement is present by the Anglican Diocese of Votorantim - SP erected on January 9, 2015 with jurisdiction over all of Brazil and the Missionary District in Chile having as its Diocesan Bishop Theodoro A. C. de Oliveira.
 
 

O Movimento Anglicano Continuante

 

Quando se fala em Anglicanos Continuantes logo se vem a mente a seguinte questão? –O que significa ser continuante? Em primeiro lugar é importante se destacar que a palavra Anglicana deriva do termo latino “Ecclesia Anglicana” que desde tempos remotos era utilizado ao se falar da Igreja na Inglaterra. Assim era comum se usar esta expressão ao se referir aos cristãos ingleses, seu uso encontra-se em registros oficiais como na histórica “Carta Magna da Inglaterra” datada de 1215, cerca de 319 anos anteriores a autonomia declarada pelo Parlamento sob o Reinado de Henrique VIII em 1534. 

 

Sob o qualitativo Continuante dado a Igreja, do latim “continuare” entende-se como permanência, que não se rompeu, que não se interrompeu, que manteve-se ortodoxa, a mesma. Este é o Movimento Anglicano Continuante, que não rompeu seus laços durante sua caminhada na história com a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica tal qual como ela chegou através dos primeiros cristãos que desembarcaram na antiga Província do Império Romano, a Britânia, como era chamada a Inglaterra então.

 

CONTEXTO E ORIGEM DO NASCIMENTO DO MOVIMENTO CONTINUANTE

 

Em 1976 o Concílio Geral da Igreja Episcopal nos Estados Unidos aprovou a ordenação feminina para o presbiterado e episcopado, uma onda que vinha se instalando não só nos Estados Unidos, mas em todas as Províncias da Comunhão Anglicana espalhadas pelo mundo causando sérias divisões na Igreja e fortes debates teológicos. No mesmo Concílio se aprovou também a adoção de um novo e doutrinalmente polêmico Livro de Oração Comum que depois ficou conhecido como “Versão de 1979”.

 

O ato da Igreja Episcopal nos Estados Unidos (ECUSA) significou um verdadeiro abandono da Tradição e da Ortodoxia da Igreja legada desde os tempos apostólicos e suas consequências se fizeram sentir pouco a pouco em todo o Anglicanismo.

 

No mesmo ano de 1976 a Igreja Anglicana no Canadá também aprovou tais decisões seguindo o mesmo caminho dos Estados Unidos dando início ao “Liberalismo Teológico” que hoje é causa de grandes feridas na Igreja Anglicana e que preparou o terreno para outras atitudes que causam desde então o afastamento da reta fé e da sã doutrina rompendo drasticamente com a Igreja constituída por Jesus Cristo sobre o fundamento dos Apóstolos e que se mantem viva na Tradição, Escrituras e na Sucessão Apostólica.

 

Em resposta a tentativa herética de se modificar a ordem, a moral e a fé da Igreja, no ano de 1977 o Bispo de Springfield Dom Albert Arthur Chambers, sensível e dócil ao Espírito Santo de Deus, sob o impulso deste e em união com a Sociedade dos Clérigos Zelosos dos Estados Unidos, convocou um grande Congresso da Igreja Anglicana.

 

Em 17 de setembro de 1977 reunidos em Congresso na cidade de Saint Louis, Bispos, Presbíteros e o Povo de Deus, em unidade e unanimidade condenaram como um grave ato cismático as decisões do Concílio de Geral de 1976 e aprovaram uma resolução que entrou para a história como a afirmação de St. Louis onde lançavam os fundamentos e definições da verdadeira Fé Anglicana: “Nós afirmamos que a Igreja de nossos pais, sustentada pela Trindade Santa, ainda vive, e que nós, temos sido movidos pelo Santo Espírito a caminhar unicamente neste caminho, estamos determinados a continuar na Fé Católica, na Ordem Apostólica, na Adoração Ortodoxa e no Testemunho Evangélico da tradicional Igreja Anglicana, fazendo todas as coisas necessárias para a continuação da mesma”.  (St. Louis Affirmation)

 

Nasceu assim o Movimento Anglicano Continuante que aos poucos se espalhou por todo o mundo como tentativa de resistência aos ventos de erro e heresias que se infiltraram e continuam se infiltrando e se perpetrando na Igreja devido a desvirtuada concepção de muitos que acreditam ela deve se unir ao mundo esquecendo-se todavia que a “ Igreja é o Corpo de Cristo operando no mundo. Ela é a sociedade dos batizados convocados do mundo; Nele, mas não dele. Como a Noiva Fiel de Cristo, ela é diferente do mundo e não deve ser influenciada por ele”. (St. Louis Affirmation)

 

O Movimento Continuante como o foi para os Anglicanos de 1977 nos Estados Unidos também se constitui em nossos dias uma forma de se mantermos fiéis a verdadeira Tradição Anglicana. Na firme convicção de que “nós podemos ser salvos pela graça do Senhor Jesus Cristo”, e que “não há outro nome abaixo dos céus dado entre os homens pelo qual nós podemos ser salvos”, e reconhecendo nossa obrigação de proclamar a Verdade salvadora de Cristo para todas as pessoas, nações e em todas as línguas, nós declaramos nossa intenção de sustentar a Una, Santa, Católica e Apostólica Fé em Deus. Nós admitimos a regra de fé baixada por São Vicente de Lerins: “Acreditamos que aquelas coisas no que tem sido crido em toda parte, sempre e por todos, isto é verdadeiro e propriamente Católico”. (St. Louis Affirmation).

 

DOM ALBERT ARTHUR CHAMBERS

 

O Reverendíssimo Dom Albert Arthur Chambers foi o fundador do Movimento Anglicano Continuante a nível mundial como um corpo colegiado em defesa da Ortodoxia da fé Católica que anuncia o evangelho de Jesus Cristo nos princípios do Anglicanismo. Albert Arhtur Chambers foi o VII Bispo da Diocese Anglicana de Springfield USA, depois de servir por muitos anos como Reitor na Igreja da Ressurreição em Manhattan – New York entre os anos de 1949 a 1962. Sua consagração Episcopal se deu pelas mãos dos Bispos Arthur Lichtenberger, Horace Donegan e por J. Reginald Mallet.

 

Nos anos 70 aconteceu algo que marcou profundamente de forma negativa a Igreja Anglicana nos Estados Unidos desvirtuando-a teologicamente e rompendo-se a Tradição legadas desde os tempos apostólicos de forma a se sentir concretamente nas ações pastorais: – As ordenações femininas ao presbiterado e ao episcopado. 

 

Zeloso e preocupado com os rumos da Igreja, Dom Albert Chambers convocou em 1977 o Grande Concílio de St. Louis – Missouri, a fim de resgatar a Ortodoxia no Anglicanismo e combater o erro. A Afirmação de St. Louis se tornou a constituição do Movimento Continuante Anglicano, na qual participaram mais de 2000 anglicanos provenientes de todo o mundo. Em Janeiro de 1978 Dom Albert Chambers expandiu a jurisdição canônica com as ordenações dos quatro primeiros Bispos que constituíram o início da Igreja Anglicana da América do Norte e que mantiveram e transmitiram a sucessão de Chambers constituindo novas Províncias espalhando a reta fé através do Movimento Continuante para todo os quatro cantos do mundo. Dom Albert Arthur Chambers manteve uma atenção muito especial pela América Latina autorizando diretamente a abertura da missão na Colômbia que hoje se constitui em Província.

 

No Brasil o Movimento Anglicano Continuante se faz presente pela Diocese Anglicana de Votorantim- SP erigida em 09 de janeiro de 2015 com jurisdição sobre todo Brasil e o distrito missionário no Chile tendo como seu Bispo Diocesano Dom Theodoro A.C. de Oliveira.

Dom Albert Arthur Chambers nasceu em Ohio em 22 de junho de 1906 e graduou-se com honras no Hobart College and General Theological Seminary. De sua descendência sobrevive uma filha, Frances Chambers Roger, uma irmã, Eleanor Mc’Istosh de Cleveland, sete netos e um bisneto.  Em 1993 ele morreu de um ataque no coração aos 86 anos gozando de um bom retiro em um hospital de Sun City Center na Florida.

 

Druckversion Druckversion | Sitemap
© Copyright 2017 by Anglican Province of Christ the Saviour